JESUS, A ÁGUA DA VIDA

Pregador: Júlio H. Wolff Antonio

Leitura Bíblica: João 4-1:26

TEMA:  Renovação -  Jesus: a Água da Vida

João 4.1-26

1 E quando o Senhor entendeu que os fariseus tinham ouvido que Jesus fazia e batizava mais discípulos do que João

2 (Ainda que Jesus mesmo não batizava, mas os seus discípulos),

3 Deixou a Judéia, e foi outra vez para a Galiléia.

4 E era-lhe necessário passar por Samaria.

5 Foi, pois, a uma cidade de Samaria, chamada Sicar, junto da herdade que Jacó tinha dado a seu filho José.

6 E estava ali a fonte de Jacó. Jesus, pois, cansado do caminho, assentou-se assim junto da fonte. Era isto quase à hora sexta.

7 Veio uma mulher de Samaria tirar água. Disse-lhe Jesus: Dá-me de beber.

8 Porque os seus discípulos tinham ido à cidade comprar comida.

9 Disse-lhe, pois, a mulher samaritana: Como, sendo tu judeu, me pedes de beber a mim, que sou mulher samaritana? (porque os judeus não se comunicam com os samaritanos).

10 Jesus respondeu, e disse-lhe: Se tu conheceras o dom de Deus, e quem é o que te diz: Dá-me de beber, tu lhe pedirias, e ele te daria água viva.

11 Disse-lhe a mulher: Senhor, tu não tens com que a tirar, e o poço é fundo; onde, pois, tens a água viva?

12 És tu maior do que o nosso pai Jacó, que nos deu o poço, bebendo ele próprio dele, e os seus filhos, e o seu gado?

13 Jesus respondeu, e disse-lhe: Qualquer que beber desta água tornará a ter sede;

14 Mas aquele que beber da água que eu lhe der nunca terá sede, porque a água que eu lhe der se fará nele uma fonte de água que salte para a vida eterna.

15 Disse-lhe a mulher: Senhor, dá-me dessa água, para que não mais tenha sede, e não venha aqui tirá-la.

16 Disse-lhe Jesus: Vai, chama o teu marido, e vem cá.

17 A mulher respondeu, e disse: Não tenho marido; Disse-lhe Jesus: Disseste bem: Não tenho marido.

18 Porque tiveste cinco maridos, e o que agora tens não é teu marido; isto disseste com verdade.

19 Disse-lhe a mulher: Senhor, vejo que és profeta.

20 Nossos pais adoraram neste monte, e vós dizeis que é em Jerusalém o lugar onde se deve adorar.

21 Disse-lhe Jesus: Mulher, crê-me que a hora vem, em que nem neste monte nem em Jerusalém adorareis o Pai.

22 Vós adorais o que não sabeis; nós adoramos o que sabemos porque a salvação vem dos judeus.

23 Mas a hora vem, e agora é, em que os verdadeiros adoradores adorarão o Pai em espírito e em verdade; porque o Pai procura a tais que assim o adorem.

24 Deus é Espírito, e importa que os que o adoram o adorem em espírito e em verdade.

25 A mulher disse-lhe: Eu sei que o Messias (que se chama o Cristo) vem; quando ele vier, nos anunciará tudo.

26 Jesus disse-lhe: Eu o sou, eu que falo contigo.

DESATAMENTO

Quando nos deparamos com esta mensagem podemos de imediato nos perguntar: O que buscamos quando vamos à Igreja? Ou ainda: o que buscamos quando nos dispomos à prestar culto à Deus? Uma das respostas à esta pergunta é porque buscamos pela água que Cristo tem a nos oferecer.

Bebemos água porque o nosso corpo tem necessidade de renovação. Dessa mesma forma o nosso Espírito tem necessidade de ter contato com Jesus e é através desse contato que experimentamos constante renovo.

A palavra nos diz também que Jesus nos faz fontes de água, isso porque o que o nosso Senhor nos oferece como Deus vivo e ressurreto dentre os mortos (tais quais a libertação, a transformação de vida, a paz, os milagres, entre tantos outros feitos) transborda e jorra alcançando e saciando não apenas a nós mas também àqueles que estão ao nosso derredor.

Semelhantemente, podemos tomar a parábola da multiplicação dos pães, na qual Cristo tomou cinco pães e dois peixes e com eles deu de comer a uma multidão. Isso aconteceu porque Jesus conhecia a necessidade de cada um daqueles pequeninos: uns precisavam de mais, outros de menos, mas Jesus podia prover tudo do que tinham falta.

Sendo assim, paremos novamente para refletir: se Jesus Cristo sacia as minhas necessidades e Ele sabe do que preciso e quando preciso e ainda, como preciso, porque ainda procuro saciar-me com outras coisas? Mais explicitamente, porque ainda procuro saciar-me com o que o mundo tem a me oferecer?

Algumas vezes nos descontentamos com o que acontece ao nosso redor: em casa, no trabalho, na escola ou faculdade e até na igreja e é então que nos colocamos como juízes a julgar o que é melhor ou não para nossas vidas e o que serve ou não para nós.

Alguma vez o(a) Irmão(ã) já imaginou que isso tudo é muita pretensão de nossa parte? Se Deus atenta à nossa oração sendo nós pecadores que somos, porque nós não atentariamos à Sua vontade? Ainda mais que o Deus que servimos é perfeito e nós, com nossas próprias bocas, o confessamos como Senhor de nossas vidas.

Deus é o oleiro e nós somos o barro, nós é que devemos ser moldados à sua vontade e não o contrário. Não é bom que murmuremos e nos queixemos do que Deus tem nos oferecido e nos feito passar, não importa se aos nossos olhos passamos pelo vale de flores ou pelo vale da sombra da morte, pois Ele é quem está no controle e é Ele quem nos dá de beber a água da vida, que não se encontra em nenhum outro lugar. A nós convém esperar no Senhor tendo a consciência de que em tudo devemos dar graças pois somos filhos de um Deus onipotente (acaso o pai daria uma pedra ao filho que lhe pedisse pão?

Acerca dessas palavras a Bíblia ainda nos diz: não se pode servir a dois Senhores. Cristo nos diz que é tempo de decidir a quem queremos servir, pois o nosso caráter necessita ser transformado através do arrependimento de nossos pecados. Satanás é quem se contenta com nossa vida errônea e conformismo. Quando pensamos que não temos o que mudar é como se refutássemos a água que Cristo nos quer dar, acreditando que somos auto-suficientes. Aí então passamos por sede, pois não há sequer um justo, que não peque (não há sequer uma pessoa que não necessite da água da vida).

Jesus instrui-nos como beber da água que Ele dá nos versículos 25 e 26 ao mostrar que Ele é o Messias. Messias (em hebraico) quer dizer Cristo (em grego) ou ainda o ungido. A unção representa a consagração de Jesus à Deus para o trabalho de salvar as almas, isto é, representa a separação de Cristo para Deus e não para o mundo.

É exatamente isso que ele nos pede: tomá-lo como exemplo renunciando o mundo e a nossa própria consciência do que nos é melhor ou pior, aceitando a Deus e à Sua perfeita vontade.

LEITURA − João 7.37-39

37 E no último dia, o grande dia da festa, Jesus pôs-se em pé, e clamou, dizendo: Se alguém tem sede, venha a mim, e beba.

38 Quem crê em mim, como diz a Escritura, rios de água viva correrão do seu ventre.

39 E isto disse ele do Espírito que haviam de receber os que nele cressem; porque o Espírito Santo ainda não fora dado, por ainda Jesus não ter sido glorificado.

Quando recebemos da água da vida recebemos do Espírito Santo de Deus, que nos consola, corrige e ensina. É recebendo desse Espírito que somos ajudados a vencer, pois nos dá a conhecer e viver os propósitos de Deus e torna-nos, então, adoradores segundo a vontade do Senhor, fazendo-o em Espírito e em verdade.

Amém